Arquivo do mês: dezembro 2007

Por uma paz jovem

A revista Onda Jovem, projeto que já chega em sua 9ª edição impressa e é produzido pela consultoria Olhar Cidadão, traz neste mês um tema raramente colocado em pauta: os jovens e a paz. É diferente ler sobre isso, principalmente em um contexto nacional em que “jovens e violência” costuma ter mais destaque.

O conteúdo está disponível na íntegra no site, e a edição traz matérias que abordam a paz como atitude e casos no Brasil de grupos jovens envolvidos em ações pela paz. A seção “Banco de Práticas” traz 16 projetos cujas ações vão de abraços grátis à capacitação e pesquisa.

Os artigos são diversificados e trazem Marlova Jovchelovitch Noleto, coordenadora de Ciências Humanas e Sociais da Unesco no Brasil com o tema “Meios para mudar”; e Wilmar Ferreira da Silva, comandante do 35º Batalhão de Polícia Militar de Minas Gerais com “A prática de uma utopia”.

Vale a pena conferir!

Anúncios

É preciso falar de Saramago

Não é porque vai virar filme de Fernando Meirelles. É porque emociona. Ensaio sobre a cegueira, de José Saramago é uma leitura flutuante entre o real e o imaginário. Faz o leitor refletir se está emaranhado na própria cegueira, muitas vezes rasa.

As linhas diretas e sem pontuação conseguem exprimir no tom qual é o personagem da vez. É possível sentir a agonia de não enxergar, assim como a agonia de ver demais. Nenhum momento é sem propósito e as ligações entres os personagens é brilhante, como um fone sem fio.

Não existem nomes próprios. Saramago descreve os cegos por alguma característica. Assim os personagens são reconhecidos como a moça dos óculos escuros, o primeiro cego, a esposa do médico, o ladrão…

Não há bons e maus, há humanos, com falhas e virtudes. Há uma humanidade tentando viver com dignidade frente a uma enfermidade coletiva temporária.

“O meu caso já eu o tinha contado ao senhor doutor, disse o primeiro cego, tinha parado num semáforo, a luz estava vermelha, havia gente a atravessar a rua de um lado para o outro, foi então que fiquei cego, depois aquele que morreu no outro dia levou-me a casa, a cara não lha vi, claro, Quanto a mim, disse a mulher do primeiro cego, a última coisa que lembro de ter visto foi o meu lenço, estava em casa a chorar, levei o lenço aos olhos e nesse instante ceguei, Eu…..”

Mais ou menos R$ 40 bilhões

O Senado não aprovou a Medida Provisória que prorrogaria a CPMF. E agora? De um lado o Governo diz que a área da saúde ficará sem o aumento de recursos previstos. Prefeituras e Governos Estaduais terão que se esforçar mais. De outro, a oposição apresenta argumentos na inconstitucionalidade do imposto e na ineficiência da aplicação dos recursos arrecadados.

O que resta agora é acompanhar os próximos passos do Governo. Quais saídas serão encontradas – aumento de impostos, criação de uma nova forma de arrecadação? Não é certo ainda o que será feito, mas é fato que a falta do imposto vai afetar a economia do país. Para o bem ou para o mal…

Na Folha de hoje

La Vie en Rose

Adão Iturrusgarai