Votamos pelos motivos errados

Uma pesquisa realizada no Rio Grande do Sul em 2006, entre o primeiro e segundo turnos das eleições presidenciais revelou: a decisão de voto do eleitor é impactada diretamente pelas qualidades pessoais do candidato e indiretamente pela sua capacidade de governar.

Não estamos em período eleitoral (pelo menosnão declarado), mas em breve começarão as campanhas municipais. Brasília está fora desse páreo, o que não significa que não vá influenciar as candidaturas em cada um dos 5.562 municípios brasileiros.

Mas a questão é: estamos votando pelos motivos errados. Pode até ser que apostando apenas nas qualidades pessoais de um candidato, acertemos; mas podemos nos dar muito mal com esse critério digamos, “pobre”.

A lógica seria escolher um presidente como os gestores de recursos humanos recrutam funcionários em empresas. É claro que se espera uma certa empatia do candidato, mas o critério a ser avaliado primeiro é o da competência, não? Talvez apenas o carisma não traga resultados palpáveis…

Lembro da campanha do Collor em 89. Era bem criança, mas a imagem que ficava na cabeça era a de um homem moderno, geração saúde, com uma linda esposa. Quem não confiaria num homem desses? Minha mãe confiou. E hoje um sábio conhecido disse: “Não me assusto se Collor se candidatar a presidente”.

O pior é que é totalmente plausível. Se considerarmos que um político chega ao Senado após ter sido submetido a um impeachment presidencial, só se pode deduzir que ele tem MUITAS qualidades pessoais. E se o eleitorado brasileiro é guiado por essa característica, então as chances dele ser reeleito são realmente existentes.

A pesquisa realizada por Stefânia Ordovás de Almeida, Alam de Oliveira Casartelli, Marcelo Gattermann Perin e Cláudio Hoffmann Sampaio foi apresentada no XXXI Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (ANPAD), em setembro de 2007. Foram analisados 201 questionários aplicados nas cidades de Porto Alegre e Caxias do Sul, as maiores cidades do Estado. A amostra é pequena, mas reflete bem a realidade.

Talvez a pergunta correta não seja “Sabemos votar?”, já que a resposta é bem clara, mas sim “Podemos aprender?”. Sempre há tempo, e como nossa democracia é bastante jovem, existem grandes possibilidades de evolução no processo eleitoral nos próximos anos. Para isso é preciso que mais pesquisas como esta sejam desenvolvidas e amplamente divulgadas. Falta ao povo o interesse.

Anúncios

3 Respostas para “Votamos pelos motivos errados

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s